75. Tocaia para Calto

75. Tocaia para Calto
Bor van Aussflag, vilando, Gargo Gigantrix da Dokhe.

[Antes: 74. Plano Arriscado]

No dia seguinte, antes da alvorada, o grupo já estava pronto para a missão. Mais uma vez, Jules tinha passado a madrugada em um Ritual da Meia-Noite, que lhe garantiria uma proteção mágica na forma de um colar de metal, que precisaria ser arrebentado para lhe proporcionar algum milagre. Apenas um guerreiro podia ser consagrado pelos sacerdotes de Hiniar em cada ocasião.

Kathra e Angelus também passaram a noite em claro, mas pelo efeito da Poeira Cristal. Sem conseguir conter os tiques, Angelus decide:

– Vou tomar a dose máxima de novo.

– Aí cara, vou cheirar logo oito! Vou sair daqui me sentindo o próprio Imperatrix! – Responde Kathra, de pilha.

Os dois já tinham tomado duas cargas para a luta com Bambu e Bor, e desde então estavam suando sangue pelos poros. Se tomassem quatro doses, o coração explodiria com certeza, então resolveram mandar mais três pra dentro.

– Eu vou fuder com ele. – Diz Angelus, decidido a matar Calto.

– Farei história como meu pai! Custe o que custar! Estou destinado a isso! – Exclama Kathra, enquanto já metia o nariz na substância.

Os dois saíram dali monstruosos, no limite máximo dos batimentos cardíacos, sentindo uma energia incontrolável fluindo pelas veias. Foram os primeiros a convocar os Ravens, e ficaram toda a madrugada absolutamente calados, esperando o resto da galera acordar. Kathra sabia que não tinha volta, mas não carregava nenhum remorso. No último ano, engravidara um número suficiente de moças de procedência duvidosa pelo reino, de forma a garantir que sua nobre linhagem iria ser passada adiante.

Já o Arauto de Hevelgar se questionava seriamente sobre a mesma situação, mas com perspectivas bem diferentes. Seu único herdeiro tinha acabado de falecer, e ele mesmo só tinha irmãs, que já tinham se casado com membros da nobreza de Viktoria. Se morresse naquela missão, provavelmente seria o fim da descendência Tudur, herdeiros de um pequeno baronato do maior reino velga do Oriente. Se sobrevivesse, já estava mais do que na hora de dar um tempo no encargo de protetor dos povos oprimidos e constituir uma nova família:

– Filho! É por você! – Exclama Jon, olhando para o céu.

Ninguém estava confortável com o plano, mas todos estavam convictos de que era o melhor que tinham para o momento. Viktor, Mina, Kreuber e Angelus voaram diretamente para a entrada do Desfiladeiro de Aden, a menos de uma milha da cidadela fortificada de Dankel, recentemente atacada por Calto. Os demais se dividiram em uma linha imaginária dali para o covil de Calto, a uma distância de cerca de dois quilômetros um do outro.

Kathra era a isca mais próxima do desfiladeiro. Mesmo distantes um do outro, o filho de Iuri e Angelus continuavam mantendo contato através da linguagem em código:

– Ku ku! Ku ku! (“Tô pronto aqui, cheiradão”) – Silva Angelus.

– Ah ah! Ah ah! Ka ka ka ka ka ka ka… (“Sou o predestinado!”) – Gralha Kathra.

O vento da manhã estava gelado quando Bor Aussflag pousou no limite do território de Calto, a uma distância em que já poderia ser percebido pelo Dragão de Fogo. O céu estava nublado, e o silêncio absoluto indicava o perigo daquela área. A tensão era máxima. O vilando então acariciou a plumagem de seu raven Dourado e esperou. Mas não foi preciso aguardar muito até que o vulto do predador mais temido de toda Asgaehart se erguesse por detrás de um penhasco nas montanhas, já emitindo aquela baforada aterrorizante.

– Foi um prazer conhecê-los, senhores. – Diz Bor, abrindo fuga imediatamente para sudoeste.

Enfurecido, o Dragão do Leste voa numa velocidade absurdamente veloz em direção ao Raven Dourado. Manobrando de forma arrojada, o vilando aguarda a primeira bola de fogo, que logo é disparada. Num mergulho para boreste, Bor sente a labareda gigantesca resvalando sua perna, e queimando algumas penas de sua montaria alada. Tinha se livrado da primeira investida. Mas o oficial da Dokhe nem conseguiu pensar na próxima manobra. Uma segunda baforada certeira o atinge por inteiro, incinerando ele, o Raven e derretendo o arco do Tiwaz, que não teve tempo de disparar um mísero tiro.

“Fudeu!” – Exclama Tudur, através do elo mental proporcionado pelos braceletes, sentindo a morte de Bor Aussflag.

“Porra!” – Complementa Kreuber.

“Ele já sabe que Bor estava com o arco do Tiwaz. E está furioso.” – Informa Mina.

De muito longe ainda, Jules Flanagan engole em seco. Teria de voar na direção de Calto para chamar sua atenção.

“Vai Jules!” – Incentiva Kathra.

Jules alça voo, mas logo dá meia-volta quando percebe que o dragão já tinha lhe avistado. Menos de um minuto depois, o jovem Hokhe já estava na alça de mira de Calto, que solta uma labareda mortal. Mas Jules consegue realizar uma manobra espetacular e sai ileso do primeiro ataque, seguindo firme na direção de Jon Tudur. O Dragão de Fogo lança outra baforada, mas o jovem estava realmente em sintonia fina com o Raven, e se desvia novamente com um mergulho arriscado. No terceiro tiro, Jules sente as chamas lambendo sua nuca, mas consegue escapar por um triz. Calto se irrita e arremessa mais um jato flamejante, que o Raven consegue evitar sem se arriscar muito. Assistindo a tudo de longe, o resto da equipe mal podia acreditar naquilo: o moleque rabiscava os céus com um dragão em seu encalço, desviando-se de várias bolas de fogo imensas.

“Vai, moleque!” – Grita Kathra.

O próximo ataque de Calto também resvala no Raven de Flanagan, que mergulha mais ainda, num rasante perigosíssimo. O Dragão segue cuspindo fogo, e Jules manobra mais uma vez para escapar. Quando já estavam bem próximos de Jon Tudur, o Arauto levanta voo com o Raven Cinzento. Calto se irrita com a novidade e ataca o jovem Hokhe com precisão absurda. Sentindo que não haveria forma de escapar, Jules rompe o cordão que tinha recebido dos sacerdotes. No mesmo momento, a sela que o prendia ao Raven despenca com uma manobra, e Jules cai em um pequeno córrego da região, quebrando alguns ossos na queda. O pobre animal alado acaba sendo carbonizado pelas chamas. Calto seguia perseguindo Jon Tudur.

“Acelera, Tudur!” – Exclama Kathra.

O arauto posiciona o Escudo Sagrado nas costas, e foge desesperado com o Dragão de Fogo em seu encalço. No primeiro ataque, Jon já sente as labaredas queimando seu braço e uma das asas do Raven, que chia com muita estridência. A segunda bola de fogo também passa de raspão, e Tudur escapa com a proteção do campo energético de Hevelgar, projetado pelo escudo. Suando frio, Jon Tudur consegue escapar das labaredas seguintes usando duas arriscadas manobras de parafuso, que o aproximam do local onde Kathra os aguarda. Naquele momento, já estavam a cerca de dois quilômetros do desfiladeiro.

Completamente tomado pela fúria, Calto persegue os dois Ravens no céu. Enquanto isso, Mina fazia de tudo para bloquear os sentidos do dragão com seu poder empático, para que ele não percebesse a presença do resto da equipe no desfiladeiro.

Voando em zigue-zague com Kathra, Jon escapa de outra bola de fogo, mas a seguinte acaba resvalando no Raven do filho de Iuri, queimando suas garras. O arauto já estava conseguindo prever os movimentos do dragão, e escapara novamente de outra labareda lançada de forma precoce. Kathra também usa um movimento arrojado para escapar de uma baforada, e os dois finalmente alcançam a boca do Desfiladeiro de Aden.

As manobras ali seriam bem mais restritas, devido à limitação do espaço, mas o plano tinha funcionado. Restava agora aos demais o contra-ataque. Assim que Calto invade o cânion, explodindo uma bola de fogo certeira na direção de Tudur, Mina aciona o pulso de contenção no topo do desfiladeiro, bloqueando o espaço aéreo. Kathra dá uma guinada vertical para o alto, enquanto o Arauto de Hevelgar tenta se lançar ao solo para não morrer incinerado junto com o Raven Cinzento. Mas a velocidade de voo era demais. O escudo protege Jon do primeiro impacto, mas ele rola para a morte nas pedras do desfiladeiro.

– Matem Calto… – Murmura Jon Tudur em seu último suspiro, antes de falecer de hemorragia devido às múltiplas fraturas.

Viktor fecha a saída ao fundo com o pulso de seu cetro, no mesmo momento em que Kreuber e Angelus saem de seus esconderijos e arremessam suas armas no dragão. Mesmo encurralado, Calto consegue se desviar da lança incandescente do Frente, mas a infalível Espada Escarlate crava a 23ª vértebra do Dragão de Fogo. Sem perceber ainda o que tinha acabado de acontecer, a fera usa sua última baforada para pulverizar Kreuber Dikson e o Raven Escarlate.

Calto tenta puxar mais uma labareda, mas engasga. O Dragão de Fogo finalmente se dava conta de que tinha caído numa emboscada. Kathra então desce em voo rasante atirando toda a sua munição na direção da fera alada, enquanto Angelus também voa com o Raven para tentar atacá-lo com sua espada comum, num delírio suicida.

O Dragão do Leste consegue se desviar de alguns dos projéteis, mas outros rasgam sua asa esquerda. Tomado pela raiva, Calto usa suas garras para atacar Kathra, derrubando o jovem vulkânico e seu Raven com violência magnífica, que se espatifam para a morte horrível nas paredes do desfiladeiro. Delirando no chão com uma fratura exposta no crânio, o filho de Iuri se imagina finalmente na Boiwuna, recanto nos arredores de Joy Divile onde tinha passado os melhores momentos de sua infância.

– Caralho! – Grita Angelus, ao perceber o destino terrível do amigo, já manobrando para se afastar do dragão e tentar recuperar a sua arma do Tiwaz.

Calto faz uma manobra no ar para evitar o pulso produzido por Viktor. Enquanto isso, o jovem tigunar consegue alcançar a lança e voa novamente na direção do dragão. Com segurança, Angelus arremessa novamente sua arma brilhante, mas Calto se desvia com uma agilidade fenomenal, e parte para o ataque com raiva, usando suas garras. Naquela área de combate, só restavam Angelus e Viktor. Ou pelo menos era o que todos acreditavam.

Mas uma enorme bruma de fuga estoura no local, protegendo Angelus.

No meio da escuridão, Luke Logan surge carregando a lança, e a arremessa de volta para o jovem tigunar, que dava um voo rasante para escapar do ataque de Calto. Assim como na noite anterior à missão que tinha achado o Tiwaz, o Cavaleiro da Bruma tinha sonhado novamente com Imperatrix, que ordenou-lhe que estivesse exatamente ali, naquele exato momento.

Calto fica momentaneamente desorientado com a bruma, mas tenta novamente atacar Angelus. De forma espetacular, o tigunar aproveita a ligeira vantagem da penumbra para saltar do Raven na direção do dragão, arremessando sua lança gigantesca, mais uma vez incandescente. Naquele momento, Fuscão já estava com a caixinha nas mãos.

O Pique do Tiwaz acerta o abdômen de Calto, mas o dragão ainda resiste, gravemente ferido, sem forças para tentar uma manobra de fuga. Sofrendo dores lancinantes, a fera agarra e esmaga Angelus, arremessando o corpo morto do filho de Vandu ao chão.

Ferido, incapacitado e encurralado, Calto dá um urro de desespero. Foi a última ação do Dragão de Fogo antes de Viktor Van Vossen acionar a Aurora da Morte, desintegrando instantaneamente a si mesmo, a fera, Luke e os cadáveres de todos aqueles que tinham morrido no desfiladeiro.

Após alguns instantes, todo aquele caos foi substituído pelo silêncio absoluto.

O Dragão Cardeal do Leste, o poderoso Calto, tinha sido eliminado.

[Continua: 76. Uma Nova Era]

Marcial Renato

Marcial Renato

Marido da Karin, a mulher mais bonita que já conheci na vida, pai da Ravena (super poderosa), do Henzo (a pronúncia é "Renzo", como o lutador) e da Laura (de olhos verdes). Filho da Alzira, a mulher mais forte do mundo, e do Paulo Roberto, o cara mais maneiro de todos os tempos. Já trabalhei como produtor de TV, Cinema e Internet, fui professor de Comunicação Social e hoje sou servidor de carreira da Agência Nacional do Cinema (ANCINE). Tenho um mestrado em Literatura e graduação em Publicidade e Propaganda, ambos na UFRJ. Em 2012, escrevi, produzi e dirigi o longa-metragem "Dia de Preto", com Daniel Mattos e Marcos Felipe Delfino, premiado em diversos festivais no Brasil e no mundo. Também sou autor dos livros "Rituais de Casamento", de 2015, junto com a Karin, e "Asgaehart: as invasões bárbaras", lançado em 2018. Duas vezes por ano jogo na lateral direita do time dos nascidos na década de 70 do Vale do Rio Grande (7X). Também gosto de pegar onda no verão, e nas horas vagas escrevo aqui no site da Maxie.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: