O Cientista Louco

O Cientista Louco

Facilmente reconhecível, seja por conta de um visual extravagante ou de seu comportamento excêntrico, o Cientista Louco é um tipo comum nas obras audiovisuais, especialmente aquelas que envolvem temas de ficção científica, comédia ou terror. Na maioria das vezes, trata-se de um estereótipo simpático e cativante, mas alguns deles podem se tornar perigosos, quando fora de controle.

Ao contrário do Vilão Ameaçador, no entanto, o que motiva as ações do Cientista Louco nunca é, pelo menos de partida, algum objetivo egoísta. Movido por verdadeira paixão científica, ele se dedicará obsessivamente até conseguir realizar com sucesso seus experimentos malucos. Um imprevisto ou decepção, no entanto, podem levá-lo a tomar decisões em proveito próprio, pois a prudência está longe de ser uma de suas qualidades.

Em linhas gerais, o Cientista Louco é um gênio incompreendido, um tipo que costuma ser retratado como um sujeito recluso e introvertido, que pode ser alvo de chacotas ou visto com alguma reserva ou receio pelos demais personagens da narrativa.

Em casos específicos, no entanto, ele pode trabalhar em alguma Super Equipe ou Dupla Improvável, especialmente em conjunto com um Cara Maneiro, uma Mocinha Ingênua ou um Aspirante Dedicado, estereótipos que costumam ser bastante compreensivos com o comportamento estranho do Cientista Louco.

Exemplos:

Dr. Emmett Brown (De Volta para o Futuro)

Sherman Klump (O Professor Aloprado)

Otto Octavius (Homem Aranha 2)

Wayne Szalinski (Querida, Encolhi as Crianças)

Henry Frankenstein (Frankenstein)

Marcial Renato

Marcial Renato

Marido da Karin, a mulher mais bonita que já conheci na vida, pai da Ravena (super poderosa), do Henzo (a pronúncia é "Renzo", como o lutador) e da Laura (de olhos verdes). Filho da Alzira, a mulher mais forte do mundo, e do Paulo Roberto, o cara mais maneiro de todos os tempos. Já trabalhei como produtor de TV, Cinema e Internet, fui professor de Comunicação Social e hoje sou servidor de carreira da Agência Nacional do Cinema (ANCINE). Tenho um mestrado em Literatura e graduação em Publicidade e Propaganda, ambos na UFRJ. Em 2012, escrevi, produzi e dirigi o longa-metragem "Dia de Preto", com Daniel Mattos e Marcos Felipe Delfino, premiado em diversos festivais no Brasil e no mundo. Também sou autor dos livros "Rituais de Casamento", de 2015, junto com a Karin, e "Asgaehart: as invasões bárbaras", lançado em 2018. Duas vezes por ano jogo na lateral direita do time dos nascidos na década de 70 do Vale do Rio Grande (7X). Também gosto de pegar onda no verão, e nas horas vagas escrevo aqui no site da Maxie.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: