VII. O Coração do Oceano

VII. O Coração do Oceano

[Antes: VI. Fogo no Parquinho]

Com a sacola nas mãos, Danton foge correndo pelo corredor, e três sujeitos encapuzados seguem atrás dele, armados com tacos de baseball. Aquilo não era possível. Suas pernas já estavam cansadas de tanto correr. Acossado pelos ladrões, Danton segue por um corredor lateral e entra na loja de Gabrielle, que já não estava mais no local.

Os encapuzados chegam até a frente da loja de lingeries e começam a procurá-lo. Danton se esgueira pelo recinto e se esconde no provador. De lá, fica espiando a vitrine. Ele nota que um dos ladrões está passando em frente à loja e descobriu a porta destrancada. Danton se alarma.

– Ei, Fred! Essa aqui tá aberta. – Exclama o encapuzado.

Os outros ladrões chegam até a loja de lingeries. Um deles abre a porta, acende a luz e começa a observar o interior: manequins, cabideiros, um balcão desarrumado, a cortina do provador revela uma silhueta feminina em contraluz. Dentro da cabine, Danton está vestindo sutiã e calcinha, fazendo uma pose sensual.

– Ele não tá aqui. Só tem coisa de mulher nessa loja. – Declara um dos ladrões.

Os encapuzados desistem de continuar procurando ali, apagam a luz e saem da loja. Pela enésima vez, Danton respira aliviado. Rapidamente, ele troca de roupa e foge novamente pelos corredores. Agora Danton tinha os ladrões e os seguranças atrás dele. Desesperado, avista o restaurante de Arnaldo. Podia ser a sua salvação.

Danton entra na pizzaria aflito. Uma garrafa de uísque derramada no chão dá a pista. Dentro da cozinha, Arnaldo ronca desmaiado, ao lado de uma poça de vômito. Uma torneira estava aberta, revelando o motivo do som de engasgo: o ralo da pia estava entupido. Danton fecha a torneira e sai da cozinha com cuidado, atento para qualquer movimentação fora do restaurante. Com a sacola que o encapuzado lhe deu ainda nas mãos, ele resolve abri-la para verificar o que havia ali. O rosto de Danton se ilumina com o brilho da joia. Aquela joia. Enorme, de valor incalculável.

Ele então fica imaginando a importância da peça: a joia em exposição, protegida por lasers; o homem de turbante montando guarda; a joia sendo retirada de um sarcófago; um beduíno no deserto carregando a joia; um pirata arrastando-se na areia de uma praia com a joia, tendo a mão perfurada por uma espada; um soldado enfiando a joia no ânus na segunda guerra; a joia sendo arrematada em um leilão chique por cem milhões de dólares; um arqueólogo aventureiro quebrando uma estátua de coelho e encontrando-a dentro; uma mão pegando a joia a tempo, segundos antes de ser esmagada por um portal de pedra; uma velha senhora no convés de um navio arremessando a joia nas profundezas do mar. Era o Coração do Oceano!

– Agora eu tô fodido! – Suspira Danton, aterrorizado.

Sua situação era crítica. Ele dá uns passos pela pizzaria, andando de um lado para o outro, pensando no que fazer, e se senta numa cadeira da cozinha, com as mãos na cabeça. Em sua mente, Danton escuta a voz do homem caído ao seu lado:

“Tá assustado, Rapaz? Esse shopping de madrugada é pavoroso”.

Ele confere o corpo de Arnaldo, esparramado no chão. Quando abaixa a cabeça novamente, a voz retorna:

“Eu acho melhor tu devolver essa porra pros seguranças”.

– O quê?! – Assusta-se Danton, olhando para o dono da pizzaria desmaiado.

Esgueirando-se pela porta do estabelecimento, Danton resolve se dirigir mais uma vez à sala de segurança. O local estava vazio. Pelos monitores, vê Jorginho, comandado pelo chefe, tentando apagar com um jato d’água o incêndio na lixeira causado pela guimba do baseado. Ele então pega o telefone e liga para a polícia.

– 190, emergência. – Atende uma agente, mecanicamente.

– Olha só… Eu tô no shopping, roubaram uma joalheria. Tão achando que fui eu, mas… – Diz Danton, de forma afobada.

– Nome, RG e Endereço, senhor. – Interrompe a policial, sem paciência.

– RG? Desculpa, mas eu não tenho de cabeça porque pegaram minha carteira…

– Roubaram sua carteira ou o shopping, senhor?

– Como assim? Tão roubando o shopping aqui e vocês ficam me colocando numa gincana da burocracia?!

– Lamento, senhor. Sem estas informações nada poderemos fazer.

– Não?! – Danton se irrita: – Olha só, minha filha, manda alguém pra cá rápido e agora!

A policial encerra a ligação, de saco cheio. Já não aguentava mais ouvir aquele mesmo tipo de trote. Danton tenta ligar de novo, com raiva:

– 190, emergência. – Repete a agente da lei, seguindo o protocolo.

– Olha aqui, minha senhora… Isso aqui é sério! Manda uma patrulha pra cá agora!

– Senhor, saiba que podemos rastrear sua ligação e processá-lo por desacato à autoridade.

– Isso! Pode rastrear! Vocês vão ver que eu não tô passando trote nenhum, PORRAAA!

Ela desliga novamente, puta da vida. Danton desiste da polícia e tenta ligar para a casa de seus pais:

– Aqui fala o Dr. Paulo Roberto de Salvador Delfino. No momento não podemos atender.  Após o sinal, deixe seu nome e telefone, obrigado.

Era a porra da secretária eletrônica. Tenta o celular de seu pai, dá no mesmo. Sua mãe, seu irmão, todos já estão dormindo. Sem mais opções, ele tenta o celular de Davi, o último dos números que sabia de cabeça. Alguém atende em meio a uma algazarra, com voz pastosa, falando alto, de boca mole:

– Alôoouuu…

– Davi?! Puta que o pariu, mermão! Aqui é o Danton, cara! Tô precisando muito da sua ajuda! Questão de vida ou morte!

– Faaala, Dantoooon! Uhuuu! Aqui é o Mateus, cara!

– Mateus?! Teu irmão taí?! Chama ele pra mim, por favor!

– Ih, cara… Ele tá no quarto com a Tatiana. Acho que tá dormindo.

– Mateus! Escuta bem, moleque! Nós dois sabemos que ele não tá dormindo porra nenhuma! CHAMA ELE AÍ AGORA!

– Tá maluco?! Tu sabe muito bem o que ele vai fazer se eu bater lá na porta do quarto…

– PORRA, MATEUS! Faz o que eu tô te dizendo senão EU É QUE VOU TE ENFIAR A PORRADA!

– Hmmm… Espera aí então.

Danton aguarda alguns instantes na linha, sempre olhando ao redor para se certificar que não vem ninguém.

– Alô?

– Porra, Davi! Tu tem que vir aqui no shopping pra me pegar, cara! Eu tô fudido! FUDIDO!

– Shopping?! O que tu tá fazendo aí a essa hora, porra? Pelo menos usou a camisinha que eu te dei?

– Caralho, cara! Depois eu te conto! Eu tô numa merda gigantesca! Vem pra cá AGORA! E CHAMA A POLÍCIA!

– Para de sacanagem, Danton…  Eu tô pelado, cara! Que porra é essa?! Tá alucinando no shopping que nem o teu irmão?! – Davi começa a rir, lembrando de uma história absurda que Santoro, irmão de Danton, tinha contado há alguns anos.

– PORRA, DAVI! É SÉRIO, CARA! VEM PRA CÁ AGOR…

Danton para de falar repentinamente quando percebe, através de um monitor de vídeo, que os encapuzados estão chegando à sala de segurança. Borrado de medo, ele desliga o telefone e procura por ali mesmo algum lugar para se esconder. Espremendo-se num canto entre um armário e uma mesa, Danton observa pelos monitores a movimentação de seus perseguidores, que estão prestes a entrar no recinto.

Para seu completo horror, só agora ele percebe que um dos monitores capta exatamente as imagens do cantinho onde ele está! Um dos ladrões já está perto de entrar na sala. Ele vai ver o vídeo! Danton então se lembra da bola de tênis no bolso do casaco, e a arremessa diretamente no monitor bandeiroso, que desliga. O encapuzado abre a porta e começa a vasculhar o local. A bolinha amarela rola pelo chão e para aos pés do ladrão. Ele pega o objeto e estranha: Guga? Após alguns instantes, o sujeito passa perto do esconderijo de Danton, sem vê-lo. Um outro encapuzado entra na sala.

– Vambora, não tem ninguém aqui. – Diz o ladrão, segurando a bola de tênis.

– Peraí! Vamos dar uma olhada nisso aqui. – Responde o outro, enquanto mexe nos controles de gravação dos vídeos das câmeras de segurança.

– O que tem aí?

– Vou apagar a imagem dessa câmera a partir daqui…

– Boa! Olha só que idiota.

Danton escuta a conversa com atenção, encolhido no canto. Os encapuzados deixam a sala, mas ele resolve aguardar mais um tempo antes de sair dali.

Enquanto isso, Nil e Pepe estão numa sala de manutenção, sentados em caixas de madeira, em frente a uma porta. Os faxineiros jogam baralho enquanto bebem cerveja e compartilham o último beck.

– Viu que cara maluco? – Diz Pepe.

– Pode crer. – Responde Nil.

– Acho que nego tá querendo pegar ele até agora.

– Pode crer.

– Bati! Perdeu, playboy! Hoje é você quem vai comprar cigarro. – Exclama Pepe, com um sorriso no rosto.

– Acho que tu roubou. – Protesta Nil.

– Menos que você. – Rebate Pepe.

Nil se levanta, meio contrariado. Ele abre a porta atrás deles, que revela o estacionamento do shopping.

– Vê se não demora. Tá quase na hora do filme! – Alerta Pepe, embaralhando as cartas, enquanto Nil sai do prédio com tranquilidade.

[Continua: VIII. Pausa para Retrato]

Marcial Renato

Marcial Renato

Marido da Karin, a mulher mais bonita que já conheci na vida, pai da Ravena (super poderosa), do Henzo (a pronúncia é "Renzo", como o lutador) e da Laura (de olhos verdes). Filho da Alzira, a mulher mais forte do mundo, e do Paulo Roberto, o cara mais maneiro de todos os tempos. Já trabalhei como produtor de TV, Cinema e Internet, fui professor de Comunicação Social e hoje sou servidor de carreira da Agência Nacional do Cinema (ANCINE). Tenho um mestrado em Literatura e graduação em Publicidade e Propaganda, ambos na UFRJ. Em 2012, escrevi, produzi e dirigi o longa-metragem "Dia de Preto", com Daniel Mattos e Marcos Felipe Delfino, premiado em diversos festivais no Brasil e no mundo. Também sou autor dos livros "Rituais de Casamento", de 2015, junto com a Karin, e "Asgaehart: as invasões bárbaras", lançado em 2018. Duas vezes por ano jogo na lateral direita do time dos nascidos na década de 70 do Vale do Rio Grande (7X). Também gosto de pegar onda no verão, e nas horas vagas escrevo aqui no site da Maxie.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: